EntreLaços - Instalação participativa

EntreLaços - Festival Bairro em festa

EntreLaços começa a ganhar forma no burburinho do espaço urbano. O silêncio acompanha a inauguração. É a ação que o faz acontecer. Começa-se a instalar. Tiram-se os novelos dos sacos. Dá-se um nó e começa-se a desenrolar. Aos poucos a ação chama a atenção. As pessoas, mais ou menos directamente, começam a olhar, a aproximar, a perguntar, a pegar, a desenrolar, a conversar e a EntreLaçar(-se). E assim tornamo-nos palco. A nossa acção torna-se uma performance. Várias pessoas a dar nós, a esticar fios, a subir e descer de escadotes, a EntreLaçar(-se).

A noite traz à luz toda a experiência mágica do dia. A teia ilumina-se, transfor- mando-se! É agora uma instalação e está exposta ao público. Agora podemos contemplá-la ou interagir com ela. Vivê-la, descobri-la, explorá-la, fotografá-la.

Neste projecto de arte de rua e para a comunidade, apostamos no potencial agregador da Arte e desta como uma linguagem universal. É para todos e o todos torna-se nós. Os elásticos entrelaçam-se e quem os manipula também. O acto criativo encerra em si um enorme poder social. Quando nos juntamos a criar, juntamo-nos num objetivo comum. Em colaboração e não em competição. Quando este objetivo é uma criação artística a acção reveste-se de um enorme prazer. Acção (des)envolve o ser. Aprendemos uns com os outros.

A primeira vez que este projeto foi apresentado foi num espaço interior, com crianças dos 6 aos 12 anos, no âmbito de uma oficina de férias do Serviço Educativo da Culturgest. Foi muito interessante ver como tudo se transformou quando veio para a rua. A interação espontânea, a partilha, a comunidade, a surpresa e a exposição enriquecem muito a experiência.


Susana Alves

Chamo-me Susana Alves, sou de Lisboa e sempre aqui vivi, mas gostava de experimentar viver noutro lugar. Desde cedo que foi notória a dispersão dos meus interesses, saltei de atividade em atividade - ballet, volley, ginástica, teatro, piano... sempre quis experimentar tudo e tive a sorte de ter sempre o apoio do meu pai. Hoje percebo como todo o meu percurso, aparentemente desconexo, não podia ter sido de outra forma. Passei ao de leve por química aplicada, uma base de psicologia educacional, uma inspiração em pedagogia da dança, uns pozinhos de botânica, um tom de contadora de histórias, uns toques de instrutora de massagem nas escolas e muita vontade de continuar a investigar e a experimentar. Tornei-me uma incendiária de ideias, uma plantadora de criatividade, uma coreógrafa de pensamentos, uma artista da comunidade. Gosto de trabalhar com pessoas, gosto de arte contemporânea e gosto de estar presente quando a arte invade a vida das pessoas e a transforma.


Apoios

CML / EGEAC e Junta de Freguesia de Arroios, Bairro Intendente, Largo Residências


A partir de: 
19 de Março de 2022

Parcerias