Música Sem Fronteiras

Música Sem Fronteiras: Mostafa com Música Clássica em Raga Nova
Concerto
Mostafa Anwar Swapan de Bangladesh
Domingo, Outubro 28, 2018 - 18:00

Música Sem Fronteiras: Mostafa com Música Clássica em Raga Nova

O Concerto de Mostafa Anwar Swapan de Bangladesh Convidando o Inverno com Música Clássica no Dia Chuvoso 
Raga especialmente composta em Português.


Por favor, preparem-se para ouvir algo especial e original uma forma clássica de música indiana, muito popular ao estilo do Norte da India, chamado Khyal. Desta feita em Português, composta por mim e que irá exigir alguma concentração por um tempo relativamente longo.

Tradicionalmente enquanto apresentamos Khyal, uma forma particular de raga é elaborada. Existem duas versões do Khyal: uma prolongada e outra mais rápida. Começando com uma introdução relativamente longa, muito lenta e sem ritmo como Adagio, entramos gradualmente em outras partes para chegar a uma seção final muito rápida. Em várias partes de um Khyal, belas e complexas ornamentações musicais são executadas através de improvisação com detalhes no tecido da atmosfera musical para exemplificar um estado emocional específico da mente. 

Durante o meu próximo concerto no Largo Cafe Estudio em 28 de outubro de 2018 domingo às 18H00 vou apresentar “Khyal” em Português como um novo gênero de música na Europa pela primeira vez na história da música no Ocidente. Na sequência de formas originais vou apresentar ambas as versões do Khyal: o mais lento e prolongado chamado Bada Khyal e a versão mais rápida e mais curta chamado Drut Khyal. 

Este gênero de música clássica foi introduzido pelo lenda da musica Norte-indiana Amir Khusrau (1253-1325), no sec XIII. O pai de Khyal Amir Khusrau, um músico espiritual místico sufi é também considerado como o pai de muitas outras formas clássicas e semi-clássica da música no norte da Índia incluindo Tarana, Thhurmi, Gazal e Qawali apenas para enumerar alguns. Ele também é o inventor do mais popular instrumento de cordas, cítara e os tambores indianos a duas mãos, Tabla. 

Para os honrar, também vou apresentar alguns Gazal e Thhumri em Português, O Thhumri que compus é baseado numa clássica poesia do período das taifas do Al-Andaluz, por Ibn Ammar de de Estômbar.


Mostafa Anwar Swapan, músico, director musical, compositor, poeta, actor, homem de Teatro e cientista analítico, actualmente estudante da Universidade Nova de Lisboa, é originário do Bangladesh, onde nasceu a 02 de Dezembro de 1967. Através do seu esforço musical, tem procurado fazer da música uma viagem espiritual com vista à paz e harmonia, fazendo com que isso ultrapasse toda e qualquer fronteira. Desde muito jovem, através inúmeros treinos, prtáticas e actuações em palco, tem feito uso da música em diversas línguas: urdu, persa, português, francês e bangla (a sua língua materna). Recentemente, e pela primeira vez na História da Música, tem estado a compor e a apresentar, com muito esforço e devoção, novas versões de música, quer em português, quer em francês. Viajando intensamente durante todo o ano, tendo como objectivos a Música e a Ciência e sempre adoptando estilos e competências diferentes, tem procurado entreter audiências de todos os continentes através da beleza e profundidade da espiritualidade. Inspirado por tradições milenares com origem no clássico sistema indiano do Raga, tem composto uma variedade de músicas sufi (para além de outras), nomeadamente Kaawaali, Gazal, Thumri, Khayal, assim como músicas mais devocionais, patrióticas, para movimentos, e até mesmo folclore. É, neste momento, o primeiro músico a traduzir música de Kazi Nazrul Islam, o poeta nacional do Bangladesh, para português.

Durante sua sessão musical os participantes experimentam e partilham processos musicais e emoções. As almas não têm cor, raça, sexo ou identidade sócio-político-religiosa. “Por certo somos de Deus e por certo a ele retornaremos” (Nobre Corão Cap. 2 Vs. 156). As almas experimentam todas as emoções enquanto residem nos nossos corpos mortais: amor, devoção, separação, saudade, união, dor, alegria! A jornada terrena termina enfim em uníssono com A Origem, O Mais Amado, para atingir a paz eterna.Durante a sessão musical propõe-se a ligação entre as almas para além dos limites da linguagem ou das fronteiras sócio culturais. Espera-se que gradualmente as emoções se aproximem de uma elevação de fruição de vontade profunda de
encontrar O Mais Amado.