Contos Populares e Tradição Oral III - Formação Artística para Agentes Educativos

Fotografia de Ana Sofia Paiva
Literatura
Workshop
Ana Sofia Paiva
Domingo, Maio 2, 2021 -
10:00 to 12:30

Formação teórico-prática sobre estrutura e fundamentos do conto de tradição oral


CONTOS POPULARES E TRADIÇÃO ORAL com Ana Sofia Paiva
Acção de Formação Artística para Agentes Educativos
SOU Formação

4 horas online
Módulo III - 17 Abr. e 2 Mai. 10h às 12h30

Material: caderno e canela/lápis; folhas A4 e lápis de cor, marcadores


Programa

A Humanidade é comunicante: funda-se e aprofunda-se nos seus mitos, nas suas histórias. As qualidades de um narrador são inerentes ao ser humano, desenvolvendo-se continuamente na prática de ouvir, contar e habitar o mundo poeticamente, como sugere Edgar Morin. Os contos populares conferem um imenso poder transformador a quem os escuta; fornecem pistas de sobrevivência, são autênticos "mapas codificados para orientação numa realidade por vezes difícil", escreve Maria Teresa Meireles. Os contos tradicionais de transmissão oral encerram ferramentas significativas para o processo de apreensão do mundo e dos seus códigos, de compreensão do eu e do outro, conduzindo o indivíduo a encontrar respostas às suas questões e um sentido para a vida — a construir, portanto, a sua própria narrativa. O acto de contar, na sua dupla forma edificante, é estruturador do pensamento e fundador da história da Humanidade. 

O contador une à voz e ao corpo a sua alma, e os seus olhos e mãos desenham o tempo da partilha com gestos apreendidos pela experiência. A passagem do tempo no corpo, na vida do contador, molda-o, ser humano que é – e quanto mais humano, melhor contador. O acto de contar adquire um carácter de inovação permanente: ao contador assiste a necessidade não apenas de apropriar-se, mas de recriar. Os contadores das histórias do mundo são agentes de mudança: uma mudança de posicionamento em relação a si mesmos e ao todo. 
Conversaremos sobre isto e mais, que a conversar é que a gente se entende.

 

TÓPICOS DE REFLEXÃO

* Património oral como primeira grande leitura;
* Repertório de Contos Populares; Contos de fadas, maravilhosos ou de encantamento;  
* Estrutura, tipologia e funções dos contos populares; 
* Catálogo dos Contos Tradicionais enquanto ferramenta do narrador;
* Voz/Oralidade/Performance oral.
 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Catálogo dos contos tradicionais portugueses (com as versões análogas dos países lusófonos e antologia de versões — Isabel David Cardigos, Paulo J. Correia. Porto: Afrontamento; [Faro] : Centro de Estudos Ataíde Oliveira da Universidade do Algarve, 2015.

In and Out of Enchantment: Blood Symbolism and Gender in Portuguese Fairytales — Isabel Cardigos dos Reis. Helsinki: Finnish Academy of Science and Letters (FF Communications 260), 1996.

Orality and Literacy: the Technologizing of the World — Walter Ong. New York: Routledge Taylor and Francis Group, 2002.

Language and Science: Essays on Language, Literature and the Inhuman —George Steiner — London: Yale University Press, 1998.

The Hero with a Thousand Faces — Joseph Campbell. New York: Pantheon Books, 1949.


INSCRIÇÕES

até 15 de Abril formulário online
info@sou.pt  

Através deste ciclo de acções de formação artística, pretendemos sensibilizar e dotar os participantes de técnicas variadas para que possam trazer a arte para diferentes contextos educativos. Cada sessão tem um programa próprio, e pode ser frequentado isoladamente.


BIOGRAFIA

Ana Sofia Paiva
Sou actriz, aprendiz e outras coisas. Filha das margens e do vento, neta de Lisboa antiga, afilhada de algum Norte e todo o Sul, cresci com histórias, cantes, descantes e muita sede de raíz. Dedico-me desde 2008 à narração e investigação de contos de tradição oral, dentro e fora de Portugal, ouvindo e contando para traçar a minha própria geografia. Passei por diversos encontros de narração oral por toda a Europa, Irão, Cabo Verde, Canárias, América do Sul e EUA, contando em português, inglês, francês e espanhol. Sou formada em Teatro pela Escola Superior de Teatro e Cinema (2001) e pós-graduada em Promoção e Mediação da Leitura pela Universidade do Algarve (2012). Trabalho como actriz, contadora de histórias e investigadora de contos populares de tradição oral, sendo membro do Instituto de Estudos de Literatura e Tradições (FCSH-UNL), do Centro de Estudos Ataíde Oliveira (FCHS-UAlg) e da cooperativa Memória Imaterial. Entre a oralidade e a escrita, dedico-me desde cedo à poesia como ofício de culto. "Serpe - As três águas do encanto" (2018) é o meu primeiro livro publicado


Apoios

Câmara Municipal de Lisboa - RAAML (Regulamento de Atribuição de Apoios pelo Município de Lisboa)
Junta de Freguesia de Arroios

Parcerias